Translate

sábado, 30 de abril de 2016

O Brasil e suas Histórias de GOLPES DE ESTADO !



     Se houvesse um Guiness para países que derrubaram seus presidentes o Brasil ficaria, facilmente, com ele para sempre. O talento do brasileiro nesse quesito é assombroso. Mais que talento, é quase uma obsessão, uma tara! Derruba-se presidentes a pretexto de tudo e de nada. Não importa o motivo. O que interessa é derrubar, cassar, afastar, esmigalhar. Ver o circo pegar fogo. Sem medir as consequências.

      Getúlio inaugurou a série de golpes em 1930. Vestiu-se de militar para tirar do poder Washington Luís, punido porque seu candidato, Julio Prestes fora eleito com fraude eleitoral. Segundo os getulistas. É claro que Getúlio jamais provou a fraude, arrancou Washington Luís do palácio à força, sabe-se lá como tinha mais poder militar que o governo federal e conseguiu convencer a nação que o criminoso era quem tinha "fraudado" as eleições e não quem tinha dado o golpe,ou seja, ele.

      As consequências do golpe foram trágicas. Getúlio logo percebeu que a primeira providência a tomar era proteger-se para não ser derrubado, por isso instituiu a ditadura. Fim das eleições, censura à imprensa, censura de opiniões, prisão, tortura e morte para quem criticar o governo.

      Os paulistas tentaram dar um golpe nele, sem sucesso, em 1932, o chamado golpe do bem, mas seria um golpe - para derrubar quem tinha derrubado e tiveram que esperar até 29 de outubro de 1945 quando ele foi deposto pelo general Gois Monteiro, naquela época, e até 1985, golpe era exclusividade dos militares .

      Getúlio tomou um novo golpe em 1954, no sentido figurado: na realidade suicidou-se, mas foi a forma que encontrou de resistir ao golpe dos generais que exigiam a sua queda.

      O vice, Café Filho, que deveria ficar até a posse do novo presidente eleito, não esquentou a cadeira, caiu logo e entregou a faixa a Nereu Ramos, que caiu logo em seguida por intervenção do marechal Lott que o acusou de conspirar contra a posse de JK. Empossado ele foi mas não governou sem tentativas de golpe, como a revolta de Aragarças.

      Também foram os militares, indiretamente, os responsáveis pela ruptura seguinte quando, em 1961, Jânio Quadros renunciou por não resistir a "forças terríveis", que não há como não associar aos quartéis. Dessa vez os militares não entregaram a presidência de mão beijada ao vice, como fizeram com Café Filho, impuseram condições, ou seja, desobedeceram à constituição que determina que no impedimento do presidente assume o vice e ponto final. Os militares deram um golpe na constituição em 1961 antes de dar o golpe final em 1964 quando Jango abandonou o palácio assim como fizera Jânio. Estranhamente, tentaram transformar Jango em herói e Jânio em vilão.

      Finalmente no poder por meio do golpe a que chamaram de revolução, os militares deram o segundo golpe com a edição do AI-5, que foi o pontapé inicial de uma guerra sangrenta entre os golpistas e os democratas, que os primeiros tentaram rotular de comunistas para justificar as atrocidades que perpetraram.

      Os golpistas também sofreram golpes de seus pares. Silvio Frota, o mandarim da linha dura, tentou derrubar Geisel. E então foi derrubado por ele. Otávio Medeiros e Newton Cruz, adeptos de Frota conspiraram para derrubar Figueiredo e colocar no cargo alguém mais afinado com sua linha política contrária à abertura com o atentado do Riocentro.  

      Os militares voltaram aos quartéis, mas as tentativas de golpe, não. Fora Sarney, fora Collor, fora Itamar, fora FHC, fora Lula, fora Dilma passaram a cobrir muros e paredões das capitais brasileiras, é o que se repete há 30 anos.

      Os números são eloquentes. Dos 20 governos no poder desde 1930 temos 14 episódios em que presidentes sofreram tentativas de golpe ou foram derrubados:

1° Getúlio derrubou Washington Luis;
2° Gois Monteiro derrubou Getúlio;
3° generais derrubaram Getúlio levando-o a se suicidar;
4° Café Filho foi afastado;
5° Nereu Ramos deposto:
6° tentativa de golpe contra posse e a revolta de Aragarças contra JK;
7° Jânio derrubado por "forças terríveis" renuncia;
8° Jango foi derrubado:
9° tentativa de derrubar Geisel;
10° tentativa de derrubar Figueiredo;
11° Collor derrubado;
12° tentativa de derrubar FHC;
13° tentativa de derrubar Lula
14° tentativa de derrubar Dilma.

      Dilma diferentemente dos citados acima não sofre um GOLPE vindo dos quartéis, mas sim das Igrejas, pois graças os votos que receberam dos fiéis com o discurso de brigar pela família, o fim da corrupção e contra o homossexualismo, deputados Federais e Senadores evangélicos formam a Bancada Evangélica hoje formada no LEGISLATIVO, Michell Temer (PMDB), conseguiu forças para deixar registrado mais um GOLPE na História do nosso país.

      Só para deixar registrado, sei que Dom Pedro II não era presidente do Brasil, mas sim Imperador, mais muito antes dos presidentes citados acima, Dom Pedro II sofria o primeiro golpe de estado desse país em 1889, GOLPE esse financiado pelas mesmas elites que derrubou os governos citados anteriormente. As ELITES que na época eram conhecidas como: CAFÉ com LEITE, elites de São Paulo e Minas Gerais, essas  elites usaram os militares para afastar a monarquia e proclamarem a República para que depois pudessem assumir.

      Não tenho como avaliar o que o país perdeu com essa sucessão de guerras civis, armadas ou não, mas é certeza que perdeu muito porque o desenvolvimento não convive bem com terremoto político. Mais do que lamentar as perdas cabe constatar que esse não é o caminho, não se constrói um país destruindo seus líderes a torto e a direito.

      Sem aulas de História e bons professores, um GOLPE de Estado pode ser passado para você como uma REVOLUÇÃO. Só anos depois que você vai entender que de revolução não tinha nada, e sim interesses agrários, pessoais e empresariais!


Edgard Brasil




O MUNDO CONECTADO COM O LIVRE DA CAVERNA